top of page

CD: RedASLA 4 - Português

Del 19 de marzo del 2015 al 01 de enero del 2014


Lugar:



 



Track 1

"Miniatura para danza nº1 (a Georgia Del Campo)”, por José Miguel Candela

 

2:57

 

“A Igreja diz: o corpo é uma falha. A Ciência diz: o corpo é uma máquina. A Propaganda diz: o corpo é um negócio. O corpo diz: eu sou uma festa.” [Galeano, E. (1993). Las palabras andantes (Ventana sobre la memoria I). Catálogos. Argentina].

 

Esta obra foi composta em 2011 e estreada no Chile em 2012.

 

José Miguel Candela (Chile, 1968) é formado em Música pela Universidad de Chile. Frequentou diversos cursos com Gustavo Becerra-Schmidt. Como compositor, destacou-se no campo da música eletroacústica. Fundador e coordenador da Comunidad Electroacústica de Chile, além de organizador do Festival "Ai-maako". Sua música tem sido difundida em várias partes dos EUA e Europa e tem sido lançada em diversos CDs (solos e coletâneas) no Chile e no exterior.


Track 2

…Raíces lejanas, tal vez… (in memoriam Luis Zubillaga) - Daniel Schachter

 

7:46

 

… Distant roots, maybe…’ é uma viagem sonora de lembrança e homenagem à amizade entre o compositor e Luis Zubillaga (1928-1995), um músico argentino proeminente com uma extensa carreira como compositor, professor e pesquisador na Argentina e Venezuela. A peça procura por Zubillaga como artista, elaborando suas ideias, questionando suas próprias origem e destino. Os materiais empregados, manipulados e transformados, correspondem a suas obras ‘Ambientes’ e ‘Direccionales’, além de sons de pesquisas étnicas próximos aos seus interesses de pesquisa.

 

Daniel Schachter é compositor, professor e pesquisador, co-diretor do 'Festival Sonoimágenes’ e diretor do CEPSA Research Centre na Universidade de Lanús, Argentina. Foi premiado no Composition Prize of the City of Buenos Aires em 1996/7, ‘Tribuna Nacional’ para música eletroacústica em 1994 e ‘Tribuna Nacional de Compositores’ em 1987, na Argentina. Foi compositor convidado no GRM, Paris, em 1994 e 2006. Seus artigos têm sido publicados em períodicos da Cambridge University Press (Organised Sound) e da University of Lanús. Sua música é publicada pelo IRCO em Buenos Aires, Pogus em Nova York, Elektrons em Estocolmo, CMMAS no México e RedAsla.


Track 3

“Sombras de tinta" Pieza cotidiana #2 para banda numérica, por Mirtru Escalona Mijares

 

3:02

 

Esta obra foi composta em 2005. É parte de um ciclo diário de peças, as quais têm como fonte principal sons produzidos por objetos e/ou máquinas do nosso dia-a-dia. Os sons que são manuseados e tratados na elaboração da peça pretendem sublimar e criar um trabalho poético.

 

Mirtru Escalona Mijares (Venezuela, 1976) estudou Composição na Venezuela e na França. Seus trabalhos foram publicados pela BabelScores, têm sido reconhecidos em diversas competições internacionais e são regularmente apresentados em festivais na Europa, EUA e América Latina. Entre seus interesses musicais, Mirtru explora o limite da audibilidade como fonte de expressão, buscando um mundo musical poético e espiritual.


Track 4

'Brain in pulse’ - Rodrigo Sigal

 

7:22

 

Estruturas em Loop que geram pulso não podem ser compreendidas até que o padrão comece a emergir. Essa imersão é sutil e permite ao ouvinte relacionar e, portanto, interpretar várias camadas de informação musical. A peça tem como objetivo trabalhar o pulso dentro de áreas espectrais definidas e pelas repetições onde a sobreposição de elementos e a troca de função musical constituem o espaço criativo para exploração. Esta peça eu criei como membro da SNCA-FONCA em 2012.

 

Rodrigo Sigal (1971) é um compositor mexicano que dirige o Mexican Centre for Music and Sonic Arts – CMMAS (www.cmmas.org). Ele se dedica ao gênero eletroacústico misto e ao projeto ‘Luminico’ (www.luminico.org) como áreas de exploração dentro das possibilidades da tecnologia em música. É doutor em composição eletroacústica e possui especialização em empreendedorismo cultural. Para maiores informações, visitar www.rodrigosigal.com.

 


Track 5

"Estudio sobre Ritmo y Espacio", por Ricardo Dal Farra

 

1:08

 

Esta peça curta foi feita usando apenas dois sons, um dos quais aparece ao longo de toda a composição e o outro, apenas durante os segundos finais. A gravação foi feita em tempo real e toda a edição e mixagem foi feita sobre a tomada original. O Estudio sobre Ritmo y Espacio foi estreado em 1982, durante uma radiotransmissão da Radio Nacional in Argentina.

 

Dr. Ricardo Dal Farra é professor na Concordia University, Canadá, e diretor do Center for Research in Electronic Arts, no CEIArtE-UNTREF, Argentina. Foi diretor do Hexagram Centre for Research-Creation in Media Arts, Canadá, Coordenador do Departamento de Comunicação Multimídia do Ministério da Educação da Argentina e pesquisador na UNESCO, França. Seu trabalho recebeu menção honrosa da International Computer Music Association. Criou também a Colección de Música Electroacústica de Compositores Latinoamericanos, a qual abriga a Daniel Langlois Foundation.



Track 6

‘Primer Zibaldone’ - Adina Izarra

 

8:04

 

Escrita para o archlutenist Venezuelano Ruben Riera em 2013, essa obra compreende dois movimentos, Toccata e Preludio, baseados no mesmo material. No período barroco, um Zibaldone era um livro de rascunhos de anotações musicais de onde o compositor podia rapidamente extrair várias de suas ideias, reutilizando-as em diferentes contextos. A parte eletrônica é improvisada na performance por um 'zibaldone eletrônico'.

 

Adina Izarra é compositora venezuelana. É PhD em Composição pela Universidade de York, Inglaterra. É professora na Universidade Simón Bolívar em Caracas, Venezuela, onde dirige o Laboratório Digital de Música. Trabalhou extensivamente em música eletroacústica com ênfase na interatividade, composição colaborativa e vídeo-arte. Suas recentes residências artísticas incluem sua estadia no CMMAS, em Morelia, México, e o convite como professora convidada pelo Sound-Music-Image Research Centre da Universidade de Huddersfield na Inglaterra em 2014. É membro ativo da Latinamerican Sound Art Network, RedASLA.


Track 7

"La jungla" (para piano e orquesta de ajubitas), por Jorge Variego

 

4:02

 

"La jungla" é uma composição algorítmica automatizada que combina texturas de várias densidades com a manipulação de samples em tempo real. Escrita em SuperCollider, a peça usa uma biblioteca de sons retirada do livro 'Apuntes sobre nuevos recursos tímbricos para instrumentos de cuerda frotada' de Marcelo Ajubita.

 

Jorge Variego doutorou-se em Composição na University of Florida e tornou-se Mestre em Clarinete e Composição na Carnegie Mellon University, a qual frequentou como bolsista Fulbright. Fez pesquisa e é atualmente membro do corpo docente da University of Tennessee. Como parte de suas atividades como clarinetista e compositor, em Julho de 2014 estreou sua obra Líneas y manchas com a Orquesta Sinfónica Provincial de Rosario. Web: www.jorgevariego.com

 


Tracks 8, 9 y 10

“Cantos rockeros ceremoniales” de Eduardo Cáceres ( tres movimientos) para coro Femenino, 10 guitarras Eléctricas y 4 bajos Eléctricos

 

Track 8 1:58

Track 9 2:39

Track 10 2:28

 

“Cantos rockeros ceremoniales” é uma obra para coral de vozes femininas que se refere aos ritos de iniciação dos “machis” ou shamans femininos do povo Mapuche. Os textos em Mapuzungun são escritos pela poeta Elikura Chihuailaf, que escreve na lígua nativa do povo Mapuche. A escrita é de natureza mística que alude à tradição e também aos ancestrais que dizem habitar as florestas. O uso do rock na composição estabelece um link poético com a cultura Mapuche uma vez que se tornou uma contracultura no Chile.

 

Eduardo Cáceres é professor em Composição e Orquestração na Universidade do Chile em Vaparaíso. Foi diretor do programa de composição e do laboratório de música eletrônica por 10 anos. Criou os programas de pós-graduação em Empreendimento Cultural e de Regência. Cáceres dirigiu o programa em Criação e pesquisa e Diploma em Cinema. Compôs noventa obras para várias formações e recebeu prêmios, obtendo bolsas de estudos e obras premiadas no Chile, America, Europa e Austrália além de ser membro de juri internacional. Seus trabalhos são publicados em trinta e quatro CDs nos EUA, Brasil, México e Canadá. Entre os anos 1982 e 1995 estudou na Alemanha. Organizou oitocentos concertos de música contemporânea e tem sido Diretor do International Contemporary Music Festival da Universidade do Chile por doze anos. Foi diretor do ‘Ensamble Bartók’, fundador do ‘Ensamble Trok-Kyo’, vencedor do prêmio ‘ALTAZOR’. Sua carreira foi homenageada no Chile. É vencedor do prêmio UNESCO e do 'Presidente de la Républica' e 'Academia Chilena de Bellas Artes' 2012.



Track 11

“Ramas relatan ruidos, ríos rumores, rocas rugen” - Ana María Romano G.

 

7:17

 

Essa música é baseada no princípio de simultaneidade de eventos e na mutação natural deles no tempo. Suas fontes são samples de guitarra elétrica e violão, clarinete e vozes. Espaço é um componente essencial para a geração de timbre e para a transformação do material sonoro enquanto ao mesmo tempo transforma comportamentos para o núcleo das texturas resultantes. É aconselhável escutar com os olhos fechados. A obra foi criada no estúdio da compositora em 2013.

 

Ana María Romano G. é compositora colombiana. Seus interesses criativos levaram-na a trabalhar com mídia eletroacústica e acústica e a participar constantemente em projetos que envolvem dança contemporânea, performance e dança em vídeo. Ela participa regularmente de seções de improvisação com artistas internacionais. Algumas de suas obras foram apresentadas, publicadas e receberam prêmios dentro e fora da Colômbia. Foi convidada como palestrante, líder de workshop e curadora por diferentes instituições acadêmicas e culturais. Atualmente, dirige o Festival ‘En Tiempo Real’, que é aberto à arte sonora contemporânea de várias perpectivas. Ela é professora na Universidad El Bosque.


Track 12


"Anónimo" para flauta, corno inglés, clarinete y violoncello o fagot - Arturo Rodas

 

4:22

 

Eu queria mudar “uma certa peça de um autor anônimo” para “Anônimo por Arturo Rodas”. Nessa música, existe também um elemento de mistério e de improbabilidade, talvez refletindo parafusos de um velho baú e nomes que poderiam ser e cuja música irá nos fazer companhia até que um asteróide anônimo acabe com a nossa vez na terra. Essa peça é interpretada pelo Ensemble SurPlus, Freiburg, Alemanha, e editada pelo PeriferiaMusic.com.

 

Arturo Rodas é um compositor equatoriano, de nacionalidade francesa, morando em Londres.

 



Track 13

“Encuentros II” - Otto Castro

 

7:13

 

Em 1998, Otto Castro compôs “Televised Encounters”, uma obra sonora crítica sobre a programção da TV da Costa Rica. Confrontando, assim, a indústria de mídia por seu trabalho sensacionalista, culturalmente pobre e rude. Para essa nova peça, ‘Encuentros II’, o compositor revisita paisagens sonoras previamente desenvolvidas em 'Televised Encounters', alcançando uma reinterpretação retórica próxima e em eco em relação àquelas.

 

Atualmete, Otto Castro está em vias de obter seu diploma de mestrado em Tecnologia em Música na Universidad Nacional Autónoma of Mexico (UNAM), na Cidade do México, sob a supervisão do Dr. Rodrigo Sigal. Já possui mestrado pela Universidade de Costa Rica em Pensamento Crítico nas Artes, onde também ensina na Escola de Artes Musicais e é diretor do programa de pesquisa do C.E.S. Em 2012, recebeu o prêmio de composição do Costa Rica National Prize. É membro-fundador da rede de arte sonora da Costa Rica ‘Oscilador’. Para maiores informações, visitar: www.oscilador.org www.ottocastro.com


Tracks 14 y 15


"2 Image-to-sound Conversions, for General MIDI (2013) - Luiz Casteloes

 

Track 14 - Estudo Cancelas

1:49

 

Track 15 - Estudo Ouvidor (Toque de celular)

1:24

 

Estudo Cancelas. Eletrônica "Vintage". Conversão imagem-som baseada na foto de uma locação de dança (no "Beco das Cancelas", Rio de Janeiro, Brasil). Estudo Ouvidor. Toque de celular gratuito para seu aparelho! Conversão imagem-som baseada na foto de uma locação de dança (na "Rua do Ouvidor", Rio de Janeiro, Brasil).

 

Castelões é um compositor brasileiro, professor na UFJF (Brasil) desde 2009. DMA (Boston University, 2009), Mestre e Bacharel (UNIRIO, 2004, 2001). Performances/gravações recentes por: Duo Promenade Sauvage (Itália, 2014), Quartetto Maurice (Itália, 2014), Ensemble Arsenale (Itália, 2013), Orquestra da Unicamp (Brasil, 2013-12) e Duo Amrein-Henneberger (Germany, 2012). Áreas de interesse: Onomatopeia Musical, Composição assistida por computador, Colagem e Música popular.


Track 16

'Fragtraz' - José Urgilés

 

6:17

 

“Fragtraz” é uma obra acusmática baseada na fragmentação e justaposição de objetos sonoros. Escolhidos de várias fontes como ambientes urbanos, loops e armas, os objetos são organizados e desenvolvidos por procedimentos de ligação. O discurso musical surge como resultado de grupos organizadores de sons e texturas que interagem e mudam através da fragmentação. A música foi completada durante a residência do compositor no CMMAS, no mês de Julho de 2012.

 

José Urgilés é compositor do Equador. É licenciado em Composição Musical pela Universidade de Cuenca onde estudou com Paula Canova e Arturo Rodas. Em seu Mestrado, estudou com Mesías Maiguashca, Juan Campoverde e Rodrigo Sigal. Suas obras incluem composições acústicas e estroacústicas. Atualmente, seus interesses estão na aplicação de novas tecnologias para a criação de obras de arte interdisciplinares. É membro do Medialab da Universidade de Cuenca, Equador.

 

 

BONUS TRACKS

 


 

 


Bonus track 1

 

“Waveforms" - Ricardo de Armas

 

1:27

 

A peça é um design sonoro incidental para uma instalação de Ana Paula Hall. O trabalho como um todo tenta encontrar um novo significado para formas de onda (representações gráficas do som) usando as possibilidades corpóreas do têxtil. É especialmente composto para ser ouvido com fones de ouvido. Além disso, a espacialidade da composição pretende descrever um movimento circular.

 

Artista sonoro, compositor e violoncelista, Ricardo de Armas estudou na Argentina, Brasil e Espanha. Graduou-se no Conservatorio Provincial J. J. Castro. Desde 1988, é membro da Orquesta Sinfónica Provincial de Bahía Blanca. Seus trabalhos foram lançados em diversos países e foram selecionados ou obtiveram menção honrosa e prêmios em importantes competições de composição eletroacústica internacionais. Ele coordena o Bahia[in]Sonora Festival. www.ricardodearmas.mibvc.com.ar

 


Bonus track 2

‘Nacar’ - Fabián Esteban Luna

 

6:40

 

Essa peça é escrita para flauta processada em tempo real, usando a linguagem de programação do SuperCollider e projetada para espacialização quadrafônica. Nessa música, o timbre austero sofre processos que sublinham as características tímbricas em tempo real. Durante o desenvolvimento da peça, vários cenários de interação entre a fonte amplificada e o resultado processado são apresentados ao flautista. Sua ações são retroalimentadas no sistema resultando em um terceiro nível de interpretação. Nesta gravação, a flauta é interpretada por Saúl Martín (www.saulmartín.com.ar).

 

Fabián Esteban Luna é músico e compositor da Argentina. É pesquisador ativo e professor universitário nos campos que envolvem tecnologia sonora, multimídia, programação e design sonoro para cinema. Atualmente, está estudando para o Mestrado em Psicologia Musical na Universidade Nacional de La Plata. Fundou o Poliedro (www.sistemapoliedro.blogspot.com) e o Poliedro Online (www.poliedronline.blogspot.com). Publicou e apresentou artigos em conferências nacionais e internacionais, assim como em festivais dentro e fora da Argentina. www.linkedin.com/in/fabianestebanluna


Bonus track 3

"A SU Árbol Retorno” - Alejandro Albornoz

 

8:30

 

Essa obra foi criada em 2006. Uma vez que a peça é dependente da premissa de recusar o uso de gravações acústicas, ela usa materiais gerados exclusivamente através da síntese computacional que é aplicada na música através de técnicas e critérios acusmáticos. Possibilitada por uma noção de espacialização interna, a estrutura da música embarca uma viagem sonora do pontilhismo à saturação do espaço de alturas. Essa música é uma homenagem ao compositor e músico eletroacústico José Vicente Asuar.

 

Alejandro Albornoz é compositor chileno e artista sonoro, licenciado em Artes Visuais. Estudou composição eletroacústica com Rodrigo Sigal e Federico Schumacher. E trabalhou tanto em acusmática quanto em eletrônica em tempo real desde 2004. Participou de festivais como ‘Synthése’ (Bourges, France), JIEM (Madrid) e BIMESP (Sâo Paulo, Brasil). É membro da Comunidade Eletroacústica do Chile e da rede latinoamericana de arte sonora, RedASLA. Escreve regularmente para dança e teatro. Para mais informações: http://alejandroalbornoz.wordpress.com; www.soundcloud.com/mankacen.

 


Bonus track 4

"Re – visitando Annette” - Raúl Minsburg

 

1:18

 

Esta obra foi encomendada por Francis Dhomont para celebrar o 65o aniversário de Annette Vande Gorne.

 

Raúl Minsburg ganhou diversos prêmios nacionais e internacionais. Recentemente, recebeu o Premio Municipal de Buenos Aires. Trabalha como professor e pesquisador na Universidad Nacional de Lanús e na Universidad Nacional de Tres de Febrero. É membro-fundador da Red de Arte Sonoro Latinoamericano (RedASLa) e coordenador do Baia[in]Sonora Festival. Seu trabalho está em diversas coletâneas. Em 2009, lançou o álbum "Entre sueños"

Bonus track 5

“Pequeños rituales” - Eleazar Garzón

 

3:38

 

Pequeños rituales são cenas curtas do dia-a-dia em formato de miniatura, as quais transitam através do universo sonoro indo da paisagem sonora à abstração pura.

 

Nascido na cidade de Córdoba, Argentina, Eleazar titulou-se em Composição pela Facultad de Artes de la Universidad Nacional de Córdoba, onde agora trabalha como professor no Departamento de Composição e Contraponto. Estudou novos algoritmos composicionais com o professor Cesar Franchisena e sua música tem sido apresentada na Argentina, Chile, México, EUA, Reino Unido, França, Espanha, Itália, Alemanha e Canadá.

 

Bonus track 6

Glosa de clímax púrpura” - Bryan Holmes

 

5:20

 

Essa obra ganhou o Prêmio Funarte de Composição Clássica 2012 (Brasil) e foi estreada durante a XXª Bienal de Música Brasileira Contemporânea. Dentro da peça, sons de várias culturas coexistem criando texturas complexas em camadas. Seu clímax serve como ponto de articulação estrutural através do qual o acúmulo de tensão é liberado e seguido por uma coda suave. Os materiais usados são: síntese, trovão (thunder drum), saltério, tigela tibetana gravadas pelo compositor; gravações em campo feitas por Fernando Godoy; samples de canções de rock e sons da Mapuche Sample Library em https://archive.org/details/libreria_de_samples_mapuches.

 

Bryan Holmes é compositor chileno, pesquisador, produtor e acadêmico que vive e trabalha no Brasil. É licenciado e possui mestrado pela PUCV-Chile e UNIRIO-Brasil, respectivamente. É candidato ao diploma de doutorado desde 2014. Recebeu prêmios, comissões, acordos de publicação, gravações e performances em quatro continentes. É frequentemente convidado para festivais de música com intérprete, curador e palestrante assim como para apresentar em conferências e publicando em periódicos. Foi professor e coordenador do Conservatório Brasileiro de Música. Atualmente ensina na Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO).

 

CRÉDITOS:

Ricardo de Armas: coordinación general

Daniel Schachter: Curaduría y masterización

Jessica Rodriguez: Diseño gráfico

Jorge Variego y Julio d’Escrivan: Traducción al inglés y revisión

Grazi Elis and Luiz Castelões: Traducción al portugués

Bryan Holmes: revisión del portugués

Comments


  • Cmmas | Facebook
  • Cmmas | Instagram
  • Cmmas | X
bottom of page